Relatos de um FÃ

Olá! Obrigada pela visita, esta história é um pouco diferente das demais, pois, não foi eu quem a escreveu e sim um fã, que teve a sorte de me conhecer e mesmo sem eu pedir, ele fez esse depoimento na qual transfiro para seu deleite! Comente, vou adorar! Beijos

Obra de conteúdo Adulto, Sensual, Erótico, Sexual

e com textos bem Obscenos e Pornográficos!

Leiam quem quiser!

Proibido para menores de 18 anos!

RelatosdeumaFã2

Relatos de um FÃ

Em 2016 comecei a ler relatos de mulheres e casais que realizavam suas fantasias, e como isso era gostoso pra eles, e foi ficando gostoso pra mim também, pois comecei a ver o quanto é importante ser feliz em todos os aspectos.

Foi aí que conheci a Marcinha, uma escritora de contos eróticos, mas que tinha um diferencial, os contos dela são fatos verídicos, narrados com riqueza de detalhes, com sentimentos nas palavras.

Logo no primeiro conto fiquei extasiado com a forma como ela descreveu sua aventura, eu sentia que ela gostava mesmo daquilo, e lógico, fiquei louco de tesão, imaginando seus movimentos, seus olhares, seus gemidos…Na primeira oportunidade que tive, me masturbei lembrando daquilo tudo, e foi muito fácil gozar já que só de lembrar da história eu já ficava todo melado.

Depois de muito insistir, consegui conversar com minha musa inspiradora, infelizmente ela já estava casada e não tinha mais tempo para se aventurar, pois agora já tinha outros planos de vida.

Muito teimoso como sempre, não desisti de realizar o que agora, era a minha maior fantasia: Ter uma noite com a Marcinha.

Começamos a trocar e-mails, ela sempre muito simpática, mas já não tão disposta a novas aventuras, e eu desejando cada centímetro do seu corpo, imaginando todas as coisas que poderíamos fazer, só pensava no prazer que essa mulher me daria.

Enfim depois de meses trocando e-mails, ela resolve me dar uma chance, não sei se por dó ou por acreditar que seria a única forma de se livrar de mim.

Nos encontramos perto da casa dela, ela entrou no carro e começamos à conversar sobre tudo o que estava acontecendo, como era diferente aquela situação, já que ela não tinha conhecido um fã nesse ponto.

Contei pra ela o quanto gostava de seus contos e como eles mudaram minha perspectiva sobre a sexualidade, como eu me sentia identificado com eles, e como me excitavam também.

Ela sempre simpática, sorrindo o tempo todo, muito a vontade comigo, me deixando cada vez mais excitado com seu vestido preto, um pouco acima do joelho, um pequeno decote, e seus braços à mostra, até que chegamos num chalé.

Entramos e quando desci do carro, peguei no banco de trás um vinho que gosto de tomar pra relaxar, pra deixar o clima mais agradável, coloquei dois copos na mesa, ela veio, brincamos, bebemos e nos beijamos.

Seu beijo era ainda mais gostoso do que eu tinha imaginado, lábios lisos, língua comprida, beijo molhado, perfeito!

Comecei a tocar seu corpo, apertando contra o meu, fazendo ela sentir meu pau duro contra a sua buceta quente, apertei sua bunda com as duas mãos enquanto a beijava e lambia seu pescoço arrancando pequenos gemidos dela.

Eu sentia todo o calor vindo da buceta dela no meu corpo, segurei seus cabelos pela nuca, enquanto beijava sua boca e sentia seus lábios tremendo de tesão, foi quando levantei seu vestido e a coloquei em cima da mesa, com as pernas abertas, não foi surpresa ver que ela estava sem calcinha já que não tinha visto nem sentido nada no meu corpo que não fosse seu corpo, sua pele, seu cheiro.

Ela ainda de salto com as pernas abertas na mesa, toda vulnerável pra mim, só coloquei os dedos na buceta pra sentir como estava melada, e comecei a chupar, de baixo para cima, forçando, fazendo ela sentir minha língua lá dentro.

Tirei os dedos e levantei seu quadril, pra alcançar mais embaixo ainda, ela percebeu, ofereceu seu cu pra ser lambido, eu não desapontei, lambi aquele cu gostoso, já subindo pra sua buceta, deixando ela de ponta a ponta molhada.

Baixei os ombros do seu vestido deixando seus seios a mostra, chupei com vontade, como se estivesse mamando eles mesmo e ela adorava e pedia pra chupar mais.

Beijei sua boca com o gosto do seu corpo, o que a deixou mais excitada ainda.

Ela na mesa com as pernas abertas e a buceta melada me convidando pra socar o pau, e foi o que eu fiz, soquei o pau todo de uma vez, ele entrou até o talo sem dificuldades. Não esperei ela se acostumar, já fui metendo com vontade, mostrando pra ela como sentia tesão por aquela buceta quente e melada. Fui aumentando o ritmo e ela gemendo cada vez que meu saco batia nela, apertando meus braços e mordendo os lábios. Sentia ela se contorcendo pra sentir meu pau entrar rasgando sua buceta, percebi que ela estava adorando a foda. Continuei socando forte, até o talo, e ela querendo mais, eu já comecei a pensar em como gozaria na boca dela, e a faria engolir tudo.

Muito gostoso foder essa puta nessa posição,  mas não queria ficar só naquela, então a coloquei em pé na frente da mesa, com os braços apoiados na mesa e bunda empinada, mandei ela abrir a bunda pra mim, e de novo soquei na buceta dela com força, arrancando mais um gemido de dor e prazer.

Meti mais um pouco naquela buceta deliciosa, já preparando o cuzinho pra ser arrebentado, e ela sabia que não teria dó dele, por isso quando tirei da buceta e mandei ela abrir de novo pra mim, ela olhou pra trás com um sorriso safado no rosto, e pediu pra não machucar, então coloquei devagar, sentindo cada centímetro do meu pau deslizando pra dentro daquele cuzinho gostoso, a expressão de dor no rosto dela me deixava mais excitado ainda, me fazendo apertar seu quadril contra o pau que entrava. Seus gemidos eram ainda mais fortes, como convites pra socar mais, e quando já estava tudo dentro, só me restava estocar aquele cuzinho delicioso, foi então que segurei nos cabelos de sua nuca e na sua cintura, dominei seu corpo, e estoquei com vontade seu rabo quente e gostoso. Não faltaram tapas na bunda e xingamentos, tudo que me excita.

Conseguia ver e sentir como ela estava gostando da foda, fui aumentando o ritmo, currando o cuzinho da minha inspiração, quente e gostoso.

Meu gozo já estava vindo quando ela começou a gemer mais alto e senti que ela iria gozar também, continuei socando o pau nela até gozar, senti seu corpo tremendo, suas pernas se contorcendo, uma delícia!

Mas ela não queria parar, pediu pra mim gozar, disse que quer sentir minha porra quente no seu corpo, eu já louco pra gozar, meti mais um pouco e quando veio, não segurei nem mais um minuto, mandei ela ajoelhar a apontei a cabeça nos lábios dela, com poucos movimentos eu já estava derramando minha porra na sua boca e ela não deixou cair uma gota no chão, lambeu e engoliu tudo! Que mulher! Que foda fantástica!

Fomos para o chuveiro ainda extasiado com aquela foda, como foi gostoso meter na mulher que me deixou louco com suas histórias e ainda mais gostoso foi ver que ela gosta mesmo de foder.

Marcinha entrou no chuveiro comigo, começamos a ensaboar nossos corpos, eu aproveitando pra lambuzar sua bunda gostosa e ainda sentindo o calor vindo da sua buceta, eu sabia que ela queria mais e eu também queria aproveitar cada minuto com aquela mulher. Quando ela pegou no meu pau pra lavar, senti suas mãos quentes, habilidosas e safadas, fui ficando ereto de novo… Ela já ajoelhou, e como uma boa serviçal, colocou tudo na boca, sem usar a mão, mostrando toda experiência que tinha, uma verdadeira Deusa do Sexo.

Sua língua me estimulava quando ela engolia o pau todo, fazendo a baba escorrer pelo saco e pingando no chão. Desliguei o chuveiro e segurei sua cabeça encostada na parede, e comecei a foder sua boca devagar, forçando o pau na garganta. Cada estocada que eu dava, ela soltava um gemido e as lágrimas começaram a escorrer, aumentando meu tesão. Saímos do chuveiro e coloquei ela deitada de bruços na cama com as pernas fechadas, deitei sobre ela e coloquei o pau naquele cuzinho gostoso de novo, mas dessa vez com menos carinho e mais força, cada estocada era um prazer diferente, um misto de tesão, dor, satisfação, e preocupação já que ela parecia insaciável.

O pau entrava todo no cuzinho me deixando com a sensação de que estava completando ela, e seus gemidos, xingos e pedidos pra foder mais, me levaram ao delírio, não demorei pra gozar pois estava tudo perfeito, uma posição ótima, uma mulher gostosa, safada e muito disposta a me dar prazer. Gozei dentro do cuzinho dela, depois fiquei olhando escorrer pelos lábios da buceta, passando o dedo pra deixá-los melados enquanto olhava para o rosto dela com aquele mesmo sorriso de quando entrou no carro, mas agora com o cabelo molhado e a pele nua. Com certeza foi uma das melhores transas que tive na vida, uma realização de fantasia que jamais vou esquecer. Agora tenho uma ótima história pra lembrar quando pensar em realização pessoal, mulher gostosa e prazer. Agora vou em busca de outra realização, um ménage feminino, e vou pedir pra Marcinha participar, pois sei que ela gosta também, já imaginou? Esse furacão comigo e mais uma amiga… será que tenho motivos pra estar ansioso? 

© MarciaGMonteiro 2015-2019 Copyright.com.br – All Rights Reserved

xxx PuxaCabeloBateBunda 22154709_1537138399681429_6932175490816153624_n

5d7f3-001-marcia2brebola2bno2bpau2bgif

MarciaGMonteiro

Dia dos Namorados. O Dia do Flagrante!

 Foto Ilustrativa (Não sou eu!) 
Dia dos Namorados. 
O Dia do Flagrante!
 

Chega meu patrão em casa e por incrível que pareça, ele não quis transar, só nos beijávamos como se nós fosse namorados, ora ou outra eu o chupava ou o masturbava, mas ele parava quando achava que gozaria. E quando eram pouco mais de meia noite, ele sugeriu ir até o apartamento dele para nós dois comemorar já o dia dos namorados comigo na cama dele (não achei normal, porque já transamos lá anteriormente), sendo que sua esposa estava na casa da mãe dela e só voltaria após o almoço de Domingo (Bom se é assim que ele quer!).
Fomos e lá fizemos uma rápida refeição, e depois para a cama, lá ele me presenteou com um lindo Baby Doll e um conjunto de calcinha e sutiã, na qual ele pediu para usar agora, e o fiz, sendo muito elogiado e pensei que ele fosse me abraçar. , ele agarrou meus cabelos, me jogou no chão e me ordenou a chupá-lo esfregando seu pau em minha cara e eu o abocanhei sugando, lambendo, chupando, m
assageando seu saco e o seu belo pau, enquanto ele com as duas mãos agarravam meus cabelos e me forçava um vai vem, meus olhos se enchiam de lágrimas pela dor em minha cabeça, mas continuava chupando e ora quase engasgando, até que ele gozou me provocando tosse e ânsia de vômito. Foi a pior gozada que me deram, perdi a noção do prazer, mas ainda assim, queria chupá-lo novamente e lamber o resto de sua porra e deixando seu pau ainda duro pra me foder, já que eu estava bem molhadinha. Ele deitou na cama e eu já nua, fui por cima ajeitando sua rola na entrada de minha boceta e aos poucos me deixando cair sobre ela que vai se aprofundando cada vez mais até encostar minha bunda em seu saco e então para curtição fui subindo lentamente enquanto minha vagina apertava o mais que podia e relaxava e descia indo assim até ele dizer que eu ia arrancar o pinto dele (ri..) então passei a meter mais forte rebolado em sua pica, subindo e descendo e quando estávamos bem no auge, abro os olhos e vejo a patroa em pé perto da porta, dei um salto que acho ganharia as olimpíadas, puxei o lençol para me cobrir e já quase chorando pedi desculpas, que eu não sou de ferro, e mais desculpas, blá blá, blá, ai nem sei se falava algo, só chorava.

Meu patrão caiu na risada, estranhei isso, rir num momento desses, só se ele estava mesmo muito mais nervoso que eu. Até que a patroa estendeu a mão e me confortou dizendo:
-“Márcia, está tudo bem eu sabia de tudo, mas achei que ele teria preparado você para essa situação, e vi que nem deve ter comentado com você né? -Todo esse tempo, foi tudo mentira, eu já sabia desde o inicio, algumas viagens nunca existiram, tipo aquela que ele contou de ter de ir ao Rio e voltar em seguida e depois ir de novo e voltar outra vez, nunca teve isso, mas era para ele ter contado sobre mim, saber se teria coragem de ter relações com um casal, o que ele não fez, não foi? -Eu que peço desculpas por estragar esse momento que estava tão maravilhoso, você realmente curte muito isso. e quero que me perdoe em não ter sido mais direta de não ter lhe falado ou pedido antes o que agora quero te falar!! 

-Você gostaria de fazer sexo com nós dois?”
Gente eu ainda estava lacrimejando, é difícil também acreditar nisso que ouvi, só uma vez eu transei com uma mulher, quando tinha 18 anos (Conto depois), mas não estava preparada para esta situação, se bem que minha patroa é lindíssima! 

Eu segurei a mão dela que estava muito calma diante da situação e foi me abraçando e puxando o lençol que me cobria, e me empurrando para deitar na cama e dizendo: 
– Tá então eu vou te convencer a ficar!! 
E já deitada na cama, ela veio com seus lábios a tocar os meus, pensei (ai meu Deus, que faço?) e só senti então a língua dela invadindo minha boca e procurando a minha, e o que fiz corresponder com minha língua tocando a dela, e suas mãos acariciando meus seios e logo sua cabeça começou a descer passando a língua pelo meu pescoço (me arrepiando toda, confesso), mas quando chegou em meus seios não resisti gemi e me contorci, um sorriso saiu do rosto da patroa que em seguida continuou o passeio de sua língua, agora pelo umbigo, mas logo chegou na bocetinha,

  

e de inicio ficava rodeando as bordas, mas quando abriu caminho em meus grandes lábios…, que sensação deliciosa e que língua macia, mas ainda não havia acabado, e senti lábios e língua bem em meu clitóris e uma sensação muito forte sentida e então não consegui me segurar, um jato de alguma coisa saiu de meu clitóris e inundou o rosto da patroa, ela não se zangou até sorriu e comentou com o patrão, que se masturbava, que eu tinha gozado nela. Minhas pernas tremiam como meu corpo todo eu não tinha mais controle sobre ele (o quê nenhum homem havia feito antes, mas talvez tenha sido pelo momento de susto e ansiedade) e a patroa me diz: -Você fica conosco? Com um sorriso no rosto de orelha a orelha eu respondi, sim fico!
Então o patrão veio tirar a roupa da patroa e ofereceu seu pau a ela que o lambeu e o chupou,
mas olhando fixamente para mim, que estava ali sentada na cama olhando sem saber o que fazer, até que a patroa pega minha mão e me puxa para ajoelhar no chão, oferecendo a rola de seu marido para mim,

  

foi estranha a sensação não pelo fato de ter outra mulher, mais sim por ela ser a mulher dele, e por ela ter feito aquelas coisas comigo, talvez se fosse mais direta me falando pessoalmente seria melhor!

Enfim… Parei de sonhar e beijava o pau dele enquanto ela me dizia se eu gostava da rola dele, respondi sim com a cabeça e o chupei, enquanto ela dizia mais, que é lindo me ver chupando e que ela sempre imaginava isso quando ele contava o que fazia comigo.., eu passei a chupar mais forte, enquanto a patroa segurava e o masturbava e depois queria chupar também eu deixei, mas antes ela tocou meus lábios com os seus e ora enfiava o pau no meio do beijo, fui entendendo o que ela queria e acertamos o compasso entre nos beijar e chupar. Até que ele puxa meu cabelo e diz que é a vez deles e então eu deitada com a perna pra fora da cama e eles ali, me chupando ora ele, ora ela… Até que ela se levantou e se ajeitou em cima de mim na posição de 69, eu ali olhando para cima vendo aquela boceta melada me “olhando” e até me convidando a lambê-la, fechei os olhos pela sensação de ser tocada, acabei sendo chupada pelos dois, comecei a lamber, mas nem sei exatamente onde eu a lambia, mas sim cheguei à sua fenda e a lambia sem mais nada a pensar ou estragaria o momento, enfiei o dedo na boceta dela e também a tocava no grelinho,

  

ela com sua mão tocava meu rosto me informando onde queria ser chupada e a atendi lambendo e sugando o seu grelinho, sentia que a cada passada de língua, sua boceta melava mais meu rosto e o gosto na verdade sentia mais como se fosse uma saliva, mas um pouco mais viscoso, salgadinho… Nisso o patrão sobe na cama e mete o pau na boceta da patroa e eu ali embaixo vendo seu pau entrar e sair da boceta dela, queria sair lá de baixo. mas não tinha muito jeito então continuei e lambia o saco dele e do pouco do pau que saia/entrava da boceta, e seu clitóris também chupei.
Meu patrão me diz agora era minha vez, me pôs de quatro na cama e a patroa desta vez em baixo de mim, ainda 69 e iniciou a penetração logo sem a menor preparação, mas eu estava tão molhada que foi o bastante ele já metia com estocadas bem fortes, a patroa foi então lambendo minha bocetinha com o pau de seu marido me fodendo sem parar

  

e ela mesma tirou o pau de mim e ajeitou em meu cuzinho, meu patrão disse: – Essa é minha esposa! -Sabe bem o que gosto!! E foi enfiando o pau em meu cuzinho e ela me lambendo cada vez mais forte e aquela sensação de antes, eu estava voltando a sentir, mas tentava me segurar, não queria “urinar” de novo, mas conforme o vai/vem dentro de meu cu e a língua doida em meu clitóris como segurar, e jorrei no corpo da patroa que riu e gritou: -Ela gozou de novo maravilha!

 

E não consegui conter o peso de meu corpo desfaleci em cima da patroa que me ajeitou ao seu lado e o patrão ainda metia forte em meu cu.

   
Eu só ouvi alguém dizer agora é minha vez (eu ainda “grogue” pensei ai, tem mais alguém ainda??) mas não, agora era a vez do patrão foder o cu da patroa (Ufa! eu não aguentaria mais não!!). E eu então ali deitada de bruços vendo o cu da patroa sendo fodido, tive coragem de ainda levantar a mão e acariciar os seios dela que me sorria largamente, e quando ele disse que ia gozar, não perdi a oportunidade e disse eu quero pra mim e fiquei com o rosto bem na bunda dela e quando ele de fato veio a gozar tirou o pau dentro dela e colocou em minha boca e gozou… chupei e engoli tudo,
   

sendo depois disputado pela patroa também que queria uns restinhos e como não teve mais da fonte, me beijou de dividimos um pouco da porra que ainda estava em minha boca e assim relaxamos, e eu disse a eles que são os melhores patrões que já tive em minha vida!!

Grata pelas criticas, pelos elogios e por este site maravilhoso que me deu a oportunidade de me ajudar a descobrir um mundo sexual bem melhor!! 

Beijinhos

Minha Patroa

Fotos ilustrativas (não somos nós)
 
Depois do que aconteceu (Ver: Dia dos Namorados, com meu patrão. Dia do Flagrante!) De que minha patroa me “flagrou” com seu marido, mas que depois fui saber que já estava tudo combinado kkk.   Minha patroa queria mesmo era de um tempinho só comigo, agora, quando sozinhas na cozinha ela me fala coisas bem abusadas do que quer comigo e eu envergonhada, mas muito excitada e lhe respondia que sim deixaria tudo o que ela quisesse! Na cama com nós três, é uma loucura, Marcos me Comendo o cu e Danielle chupando meu grelinho, me fazendo gozar na boca da patroa, me beijava, deixando eu sentir o meu próprio gozo e nos acariciamos enquanto o patrão descansa, nos beijávamos, lambíamos os seios uma da outra e esfregávamos as xoxotas, ela em seguida me chupava e sugava com força meu grelinho que me fazia gemer e soltar gritinhos e meu patrão já excitado com a cena mete o pau em minha boca para gozar novamente. eu o chupo e sou chupada, delicia de sensação, sabendo que é uma mulher que me chupa o tesão da sacanagem fala mais alto, após o Marcos gozar em minha boca eu vou lamber e chupar a bucetinha da Danielle espalhando um pouco de porra por ali também e sugando seu clitóris fazendo-a gozar em pouco tempo, mas ainda tinha a interferência de seu marido, não que a gente não goste, mas pelas coisas que ela me diz adoraria sim ficar um pouco SÓ com ela e ver se é tudo isso mesmo, mas o que falta é oportunidade…
Até que esse dia chegou, com uma reunião no interior, meu patrão ficará fora por dois dias..
Acompanhamos Marcos ao aeroporto Campo de Marte, onde pegaria um helicóptero para ir ao interior. Mal decolou, nos olhamos com aquele olhar de: É agora safada! E voltamos ao apartamento; Mal trancamos a porta ela passa a mão na minha bunda e afunda aquele dedo que as pessoas fazem para dizer um palavrão que nem seio qual nome é.
Nós riamos e me virei frente a ela que de olhar fixos, senti ela vindo me beijar o que deixei e a correspondi buscando sua língua com a minha e andando devagar em direção ao quarto, enfim chegamos mas não paramos de se beijar e eu estava super excitada, estava até com certa dor na xaninha, ela foi então me despindo eu quis ajudar, mas ela me disse pra ficar parada e deixar que ela faça tudo e a deixei retirar minha blusa e me mordiscar meus ombros, meus braços e meus seios e já gemia alto, já sentia vontade de gozar logo, tava quase lá!
Ela então começou a tirar minha calça e beijando minha coxa, perna e pés, descendo e subindo até que com a boca puxou o lacinho de minha calcinha e repetiu a puxada do laço do outro lado, me deixando toda nua só para ela desta vez,
Não resisti, pedi logo para ela me foder, mas ela disse para ter paciência e então ela mesma se despiu e retornou para mim beijando minha barriguinha e umbigo, logo foi chegando perto de minha bocetinha que estava molhadinha, sua língua foi bem maldosa, passeando só pelos lados e uns toquinhos no grelinho que arrancavam meus gemidos por mais que eu quisesse segurar, e me virando de costas me lambeu por todo o lado até chegar na minha bunda na qual com as mãos segurou as “Bandas” e lambeu o meu cuzinho, lambeu, não! enfiou a língua (talvez uns 2 a 3cm) o que pode em meu cu e que baita sensação na qual não me segurei mais e gozei, contrai meu cu na língua dela e gozei, mas não queria que ela parasse e continuava a foder meu cu com a língua, que delicia!

Agora pelo posicionamento dela ela quer é que faça algo com ela,  disse que eu estava nervosa, mas que me mostraria o que fazer. Comecei  beijando e logo fui descendo e minha língua, lambendo e sugando seus seios, e ouvia um: -Sim, mais forte, isso assim mesmo, e ia aos poucos descendo, até que passei a língua no seu clitóris e sua mão parou ali minha cabeça e me acariciando fez com que me concentrasse naquele local e eu me sentia até que bem principalmente quando escutava os gemidos, não senti nojo afinal já havia feito isso antes, só porque estava o marido dela junto antes; Não podia decepcionar e tentei colocá-la de costa, mas ela preferiu ficar de quatro entre o tapete e apoiada na cama, mas assim mesmo fui retribuir lhe beijando a nuca, a costa, a bunda e lambi o cuzinho da patroa que piscava e piscava, enfiei a língua nela também, que me disse que estava gostando de mim também, depois me deitou na cama e montando sobre mim chupei sua bucetinha e enfiava a língua também e aos poucos senti pelo aumento da umidade que ela ia gozar e pra ajudar enfiei um dedo bem no cuzinho que passou a rebolar mais e mais e gozou na minha cara me lambuzando toda.
Já suada e molhada, fomos pro chuveiro e lá brincávamos um pouco mais com uma chupando a outra e eu me sentia feliz, pois temia não ser suficiente para dar prazer a ela, mas hoje tenho a certeza de que fiz bem feito, afinal agora se o Marcos não viaja, arrumamos outras desculpas para ficarmos sozinhas para uma transa a duas, e somente uma vez ele deixou nós transar e ele ficou só a olhar, mas outras vezes ele não se segura e nos ataca; E não digo que o Marcos ou Homem seja ruim, mas acho que só mulheres entendem mulheres no sexo!
Patroa Daniella! Amo Muito Tudo Isso! 
© MarciaGMonteiro 2015-2019 Copyright.com.br – All Rights Reserved

Aguardando o Ônibus.

 
Aguardando o ônibus

Obra de conteúdo Adulto, Sensual, Erótico, Sexual

e com textos bem Obscenos e Pornográficos!

Leiam quem quiser!

Proibido para menores de 18 anos!

Era um Domingo +/- as 21:30, estava indo ao trabalho a noite para já amanhecer lá e estar pronto para trabalhar bem cedo. Nessa época eu morava em Santana (Zona Norte de São Paulo, Capital), peguei um ônibus e desci na estação da Luz e ia pegar outro ônibus, lá na Avenida Prestes Maia, em frente à estação do metrô Luz. O ônibus não chegava, e quem chegou foi um rapaz muito lindo, olhou me e ambos sorrimos e ele se aproximou, conversamos e em pouco tempo ele segurou minha mão e pôs em seu membro que tava super duro, eu o toquei e pude perceber que era grande e então passei a mão em toda a extensão de seu pau, sorri soltando um “nossa!” E ele me disse ter 22 cm de tamanho e que a fita métrica dava uma volta de 16 cm, e se eu queria ver! Respondi, que não entendi nada, mas, sim; Ele me puxa pela mão e diz, vamos para um hotel aqui perto. Chegando lá, nada de luxo, mas bom o suficiente para nossa finalidade, subimos ao quarto, e já nos abraçamos e nos beijamos enquanto tirávamos as roupas… E ao ver seu pau apontando para mim e brilhando, me ajoelhei e segurei o nas mãos alisando o da base a ponta e vice-versa, sentindo toda a extensão do seu tamanho, a grossura e o peso que ele tinha, fui iniciando uma punhetinha, porque minha mão é que é pequena, então caí de língua, lambendo o seu saco e toda a extensão, depois me concentrando na sua cabeça grossa e grande que lambia e chupava com dificuldade, mas estava sorrindo pelo achado, ele por sua vez, se ajeitou e também começou a me lamber e chupar minha boceta, até que ele então gozou em minha boca e engoli tudo, alguma coisa pingou, mas lambia com gosto sua porra e eu gemia e sorria, mas na verdade estava nervosa, achava que não ia aguentar meter com ele, quando já refeito e duro de novo, ficamos deitados frente a frente em papai mamãe, ele iniciou a penetração, na qual entrou com tanta dificuldade que me arregaçando toda tive de abrir bem as pernas, e ele foi se aprofundando aos poucos e logo senti dentro de mim uma dor, o seu pau chegou no meu limite e o empurrei, mas ele empurrou pra dentro e já fazendo vai-vem, respeitando o meu limite, e cada vez mais o prazer ia mostrando que estava valendo a pena, e o ritmo ia aumentando e eu colocando a mão em volta conferindo se aquilo tudo estava metendo mesmo em mim, que delicia ter um pau assim tão grande, mas a grossura é que me fode mesmo, como me arreganhei, me senti uma grande puta para estar naquele local de putas da Luz, por estar com um estranho e por estar metendo assim toda feliz me quebrando as juntas de minhas pernas, roçando minha xaninha e esfolando me toda num prazer insano que me faz feliz, puta, safada, mas feliz. Ele me colocou de quatro e me deu umas “Pauladas” na bunda, sinceramente, nesta época nunca tinha feito anal, estava com medo que ele ali fosse tentar, mas também digo que queria, com muito medo, mas queria sim, ele passou a cabeça do pau em meu cuzinho sem forçar, apenas um carinho, que correspondi sem querer com uma piscadela anal, mas ele continuava a passear a cabeça do pau pelas minhas partes intimas ai parou na xaninha, mexeu a cabeça do pau abrindo um espaço para molhar sua cabeçuda e foi ai empurrando, eu ia pra frente junto, e ele me segurou pela cintura e foi forçando, soltei um “para, ta doendo, ta ardendo” foi então que ele pegou sua bolsa e retirou um xampu, quando olhei achei que tinha acabado, ele ia tomar banho… Mas me enganei, ele passou o xampu no seu pau e na minha boceta, e então tentou novamente e não é que o bichão entrou quase tudo, ainda ardia sim, mas parece que o xampu aliviava o ardor, e quando ele se movimentou, nem me lembrei de dor, ardor, sentia sua rola deslizando gostosamente para dentro e fora num ritmo cada vez maior, criando até espuma ao redor de minha boceta, eu ainda hoje não sei dizer se gozei ou mijei, mas o jato foi forte, bateu no colchão e me molhou toda, e bem no momento que ele também gozou dentro de mim, mas não sei mesmo dizer o que foi, depois disso não aguentei ficar mais de quatro, deitei e ele por cima, mas já relaxado pela gozada.Ficamos nos beijando na cama, mas também já nos despedimos, eu tinha de ir ao trabalho e ele voltar para casa da mãe, que ficaria preocupada com ele… sei, rs.. Na saída ao pagar a conta ainda faltou dinheiro na qual eu paguei o restante. Fomos embora eu fui para o ponto de ônibus na qual estava anteriormente e achei que ele fosse lá também, desceu a rua em outra direção…E me deixando com a xana ardida e chateada também… Afinal nem mesmo soube o nome dele!Sim isso foi real, transei com um desconhecido, sem camisinha, sem nome, sem rumo, sem mais relacionamento, mas com um belo e grande pau que nunca mais vou esquecer!!!Já voltei ao ponto outros domingos no mesmo horário, mas nada, nunca mais o vi… rs… Fazer o que sou safada mesmo!!! Beijos e Obrigada pela visita!

VK: https://vk.com/marciagmonteiro

Twitter: https://twitter.com/MarciaGMonteiro

Instagram: https://www.instagram.com/marciagracasmonteiro

Tumblr: http://marcinhagmonteiro.tumblr.com

Skype: MarcinhaMpMg ou MarcinhaMpMg @ Gmail.com

Por favor, comentem. Grata!

© MarciaGMonteiro 2015-2019 Copyright.com.br – All Rights Reserved

MarciaGMonteiro

Com o meu Irmão

Incesto

Foi muito gostoso a sensação de ser penetrada na bundinha! Doeu, mas nem tanto, logo passou e só curti o prazer que meu irmão oferecia!

Fotos ilustrativa (Não sou eu)
Com o meu irmão, Primeira vez no Anal…
 
Isso aconteceu dia 08/03/2008 e um sábado, o tempo estava chuvoso e eu não tinha para aonde ir no momento, quando meu irmão (Mais velho que eu exatos 20 anos) chegou do serviço, conversamos sobre o dia-a-dia e nossas conversas foram evoluindo de assuntos até chegar ao sexo, falamos bobagens e foi ai que eu perguntei:
Como, qual é a sensação de fazer sexo anal? (Porquê eu gostaria de fazer, mas meu antigo namorado nunca pediu, comentou, nem nunca tentou!)
Ele me respondeu:
Para nós (homens) a sensação é muito boa de sentir o esfíncter apertando o pênis e o calor é maior, sem dizer do psicológico de ver a garota sendo submetida ao comando do homem que a pega na cintura e faz a força e a intensidade que quiser e ela assim aguentar; Ou mesmo a mulher cavalgando em anal a visão masculina é até mais intensa, pois ai é a gata que tem o comando e faz a força e a intensidade que ELA quiser, se nós (ele) aguentar!
E eu ainda disse: E para as mulheres qual é a sensação de fazer sexo anal?
Incesto

Aprendi Anal, com meu irmão!


Ele me responde: Não sei, só mesmo perguntando para uma, ou fazendo para saber!
Paramos a conversa por ai e fui tomar banho e Hum; Pensando naquelas palavras eu fiquei me imaginando fazendo anal com meu namorado, mas ele estava tão longe lá em Minas, que achava que eu não poderia fazer nada! Até que eu me lembrei de uma amiga lá de Minas que fez sexo com um amigo só para aprender; E ai então sai do banheiro, fui até o quarto e disse para meu irmão Zé. – Ensina-me?
Ele me olhou sem entender o quê eu estava dizendo e eu disse: Sei que me olha tomando banho, que tem fotos minha nua no seu celular, saiba que eu gostaria que fizesse comigo, então quero aprender com quem vai me ensinar à coisa certa e essa pessoa é você que eu quero! Faça sexo anal comigo!

Ele mudou o olhar e eu deixei cair à toalha, e cheguei perto dele nua, nos beijamos longamente e já fui ajudando ele a tirar a roupa.
Deitamos na cama e eu lhe disse: Eu confio em você, faça isso por mim, e pra você, é a única chance que terá! Então acariciei e chupei o seu pênis e já fomos fazer 69 bem demorado, logo ele me virou cara a cara com ele e então sentei no pau de meu irmão que levantava os quadris para ir profundamente em mim, logo sem tirar de dentro rodei sobre ele e sua visão agora era a minha bunda com a xaninha engolindo todo seu pau e eu rebolando

Incesto

Não me senti desconfortável transando com meu irmão,afinal o objetivo não era ter relacionamento amoroso e sim só umas aulas praticas de sexo em todos os sentidos. Foram Seis meses maravilhosos!

e ele me levantando em empurrões para cima, ainda sem tirar de dentro deitei e ele rolou por cima de mim e metia muito na xaninha, puxou minha cintura para cima me deixando de quatro e aumentou o ritmo das estocadas, eu gozei e tremia bastante, não tinha ideia se ele ia gozar e quando gozará, e ele continuava metendo até que começou a lambuzar meu cuzinho com saliva e da gosma de minha vagina, e ai foi introduzindo um dedo

  

e friccionando em vai vem acompanhando o ritmo de sua rola grossa na xaninha. Senti mais um dedo enfiando em mim

  

e assim que ele tirou o dedo sua rola já estava com a cabecinha dentro e eu nem senti “aquela dor” que tanto falam do anal por ai, sim doeu, mas foi algo assim tão insignificante que nem dei atenção,

  

pois a vontade era bem maior e à medida que sua rola entrava mais,

   

a sensação aumentava cada vez mais e embora eu sentisse um pouco de incomodo o prazer já começava a desapontar me dando ideia que ai ficar melhor ainda,

   

Zé. Iniciou o vai vem calmamente e foi aos pouco a aumentando o ritmo, ele não só ia para dentro e fora ele fazia movimentos indo para cima, para baixo, esquerda, direita e isso estava me deixando louca que gozei novamente

  

e me lembrei que ele ainda não havia gozado mesmo com os movimentos tão intensos que ele fez e agora fazia em meu cu, eu já estava começando a gozar novamente quando ele “Urrou”, gente meu irmão urrou na hora de gozar,

 

ele me segurou tão forte e gozou com tanta pressão que as estocadas dele eram agora poucas, mas muito forte a cada espasmo de seu membro ele empurrava com mais força dentro de mim

  

fez isso umas cinco ou seis vezes antes de começar a me soltar e relaxar, putz eu achei o máximo, gostaria que todos os homens pudessem ser assim como ele demorado pra gozar e dar mais prazer a nos né. hehe!
Depois disso eu pude comprovar a sensação de se fazer sexo anal.

 

Adorei tanto com Zé. Que pedi mais aulas com ele, fiquei mais uns cinco meses todo dia aprendendo algo e me viciei em anal, oral, tudo, passei a gostar de esperma, na qual tinha nojo, meu irmão Zé. Foi e é um grande professor.

Incesto

Além de meu irmão me ensinar o anal, ele me ensinou muito mais coisas que eu não sabia ou que fazia errado. E o oral era um dos errados, pq ele disse que eu só colocava na boca, mas não colava os lábios e nem mexia com a língua! Leia o meu outro texto sobre sexo oral, pra ver como aprendi direitinho!


Obrigada pela visita! Beijinhos 

© MarciaGMonteiro 2015-2019 Copyright.com.br – All Rights Reserved